Vim para a Alemanha, estou aqui desde o dia 5 e acabei esquecendo – e tendo preguiça – de escrever sobre isso. Quero atualizar esse blog para que no futuro, quando já tiver acabado o intercâmbio, eu possa vir aqui, ler o que vivi, matar a saudade desse período de tempo; e também para contar, a quem quiser ler, como está sendo minha vida aqui…

O voo

Antes de embarcar, fiz despedidas da minha família, da família do meu namorado e dos amigos. Peguei o avião no dia 4, depois de muito choro ao dizer tchau pros meus pais, pro meu irmão e pro meu namorado. Despedidas são tristes, sempre, ainda mais se é por muito tempo. O voo foi muito cansativo, umas 10h de Brasília para Lisboa e não consegui dormir nada. De Lisboa peguei um avião para Frankfurt.

Trem

Desespero para pegar o trem certo carregando mais de 40 kg de bagagem na estação de Frankfurt

Até aí foi moleza. A grande dificuldade foi ao chegar a Frankfurt ter que vir para Giessen, de trem, com uma mala de 30 kg, uma mala de mão de 10 kg e uma bolsa. Sorte minha, muita sorte mesmo, que uma da colega da UnB, por coincidência, veio no mesmo voo que eu, a Tajla. Pelo menos alguém para compartilhar as lástimas e me ajudar.

Comprar a passagem de trem para Giessen, sem falar alemão, com uma atendente gorda e grossa que falava inglês com um sotaque em que não consegui entender nem o preço da passagem foi uma comédia trágica. “Cértin” era para ser “thirteen” (13) euros.  O peso das malas era tanto que as pessoas me ajudavam para subir nos trens (tive que pegar 2).

E a um grande desafio era pegar o trem certo, perdemos um dos trens, tivemos que pegar outro, foi uma confusão, mas no fim deu certo.

Já em Giessen

Finalmente indo para minha nova casa

Em Giessen, eu e a Tajla pegamos um táxi para ir para a central dos alojamentos. Chegando lá, estava vazio, pois havia um break entre as 3 e as 6 da tarde. Ou seja, já exausta, sem ter dormido nada na noite anterior, sem ter almoçado nada, tive que esperar até as 18h para pegar a chave de casa.

Pelo menos de lá, o atendente nos trouxe de carro até o alojamento. Foi um sonho chegar ao meu quarto e finalmente poder tomar banho. Fiquei com dores no corpo pelo peso das malas mais de uma semana depois disso. Na volta não passo por isso de novo, nem a pau! Conheci um espanhol que pagou 100 euros para vir de taxi para cá, mas posso garantir que vale a pena pagar esse preço para não passar por isso. Foi um inferno.

Aqui achei que teria internet logo ao chegar, pois estava inclusa no aluguel. Para minha surpresa, e decepção, acesso a internet (a cabo, e não tem wireless) só com a carteirinha de estudante. Ou seja, fiquei uns bons dias sem acesso e me comunicando pouco com caríssimas ligações internacionais. Só depois de fazer a matrícula e comprar um cabo (que se soubesse que era preciso, teria trazido de casa) tive acesso! Mas antes disso, graças ao bom Deus, um vizinho me emprestou login e senha – eu e a Tajla na verdade – para usar internet.

Outro probleminha, bem grande na verdade, foi que a luz do meu quarto estava queimada – passei três dias com luz somente durante o dia até que o hausmaster veio arrumar para mim. Não foi legal ficar no escuro total a noite :/ .

Depois disso, já consegui ir me adaptando por aqui. Comprei utensílios de cozinha (copos, pratos, talheres, panela) e comidinhas (frutas, verduras, sucrilhos, cappuccino, leite, chocolates, ovos, iogurte, pão de forma, óleo, sal etc.), produtos de limpeza (vassoura, esfregão, pazinha, panos para limpar poeira, desinfetante), agasalhos (incluindo casacos e botas para a neve), papel para colar na janela e me servir de cortina… Enfim, estou, aos poucos transformando isso aqui em lar.

Felizmente, desde o primeiro dia, minhas impressões de Giessen foram boas: cidade pequena, bonitinha e acolhedora. Minhas aulas começaram na semana passada e meu curso de alemão começou ontem. Depois eu conto como está sendo o resto!

Anúncios

»

  1. noemia disse:

    Ana que Deus te abençõe, vc é uma garota determinada, tenho certeza que a Geisa não teria coragem de fazer uma viagem destas.E vc tão nova ja sabe cuidar de si mesma com tanta segurança, sabendo tudo que é preciso pra montar uma casa, fico tão feliz, vc não faz idéia.Sua mãe está de parabens.VC é uma vitoriosa.

  2. Aparecida Lisboa disse:

    que bom Ana continue fazendo as anotações, serão uma ótima recordação para voçê no futuro.

  3. Amanda Carvalho disse:

    Nossaa que legal o blog, tô amanda ler, se eu pudesse iria pra ai ficar com vc ana hehehe muito louco e divertido…. Espero mais posts bjsss

  4. mischams disse:

    Espero que dê tudo certo, Ana.
    Aproveita cada momento, porque é uma experiência, e todas são válidas.
    Hahaha, com certeza suas histórias são engraçadas, mas ao mesmo tempo, nos ajudam a ver que a vida longe dos pais NÃO é tão fácil como deveria ser T.T

    Boa sorte, aproveita 😀

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s